47º Festival de Cinema de Gramado anuncia filmes longas concorrentes

Homenageados também são revelados durante coletiva em Porto Alegre

O Festival de Cinema de Gramado chega a mais uma edição mantendo a tradição de nunca ter sido interrompido. São 47 anos consecutivos, período em que acompanhou todas as fases do cinema nacional e, a partir de 1992, também do cinema ibero-americano. Em 2019 serão exibidos 19 longas-metragens em competição e 34 curtas - entre Mostra Gaúcha e Nacional, além de mostras paralelas, exibições especiais, debates e discussões sobre o mercado audiovisual.

Ao longo deste ano, o Festival passou por situações que abalaram a organização mas não afetaram a realização da edição. Depois de decidir seguir com os curadores Marcos Santuario e Rubens Ewald em 2019, sem substituir a curadora argentina Eva Piwowarski, que morreu em janeiro, depois de lutar contra um câncer, o evento focou em pesquisas nacionais e internacionais desde o início do ano. A morte súbita do crítico Rubens Ewald foi um choque para a curadoria e organização, que levou a seleção até o fim.

“Quando perdemos Rubinho, as inscrições já estavam encerradas e vínhamos conversando e vendo filmes desde o início do ano. Na verdade, esse nosso trabalho não para nunca. Cada viagem que fazemos para Festivais, vemos filmes e fazemos contatos. Quando chegou a hora de fechar a seleção, já tínhamos tudo muito adiantado. Me restou realmente apenas sacramentar algumas produções, dentro do conceito curatorial já bastante discutido entre nós. Tudo muito claro”, esclarece o crítico e jornalista Marcos Santuario, curador do Festival desde 2013.

“Ainda que o cenário do país não seja favorável, com festivais importantes transferidos ou até cancelados e que tenhamos tido perdas irreparáveis, o Festival de Cinema de Gramado se mantém firme e chega em 2019 preparado para enfrentar as diversidades. Com o orçamento de R$ 4 milhões, similar ao do ano passado, incluindo recursos que serão captados através das Leis Rouanet e LIC - Federal e Estadual - de incentivo à cultura, verbas diretas de patrocinadores e do aporte de recursos diretos da Gramadotur, foi possível manter a estrutura e garantir o padrão e qualidade que já são tradição no nosso Festival, patrimônio de valor imensurável para a cidade, para os gramadenses e para o país, e que muito nos orgulha. Reiteramos também nosso compromisso assumido ao longo dos últimos anos, de maior inclusão nas salas de cinema e produção do audiovisual. Este ano, teremos mais de 20 atividades acessíveis a pessoas com deficiência, que vão contar com a tradução em libras, audiodescrição e legenda descritiva closed caption”, comenta Edson Néspolo, presidente da Gramadotur, autarquia municipal responsável pela realização do evento.

Registrando recorde de inscrições, o interesse crescente revela a importância e o prestígio que é ter a obra projetada na tela do Palácio dos Festivais. São 195 longas-metragens brasileiros inscritos, número que supera com folga os 111 do ano anterior. Os sete que disputam os Kikitos foram produzidos em quatro estados e no Distrito Federal. Já os longas estrangeiros somaram 95 inscrições, número superior às 78 registradas em 2018. A mostra competitiva conta com sete filmes de sete países distintos: Argentina, Bolívia, Chile, Costa Rica, Equador, México e Uruguai. A categoria de curtas-metragens brasileiros, que já teve os 12 selecionados divulgados, contou com 777 inscrições, mais do que o dobro dos 365 da edição passada. Os curtas-metragens gaúchos receberam 95 inscrições e terão 20 títulos em competição. A novidade deste ano é a mostra competitiva de longas-metragens gaúchos, cujos concorrentes serão anunciados nas próximas semanas.